Cultos a Santa Filomena

Culto de Santa Filomena em Mugnano

O dia 25 de Maio é o aniversário da descoberta das relíquias de Santa Filomena nas catacumbas de Priscilla em Roma a 1802. Este é um dia solene de oração no santuário e um tempo popular para a peregrinação. As grandiosas festividades e procissões dão-se em Agosto e duram por cinco dias. Isto inclui a festa litúrgica na diocese de Nola da transladação das santas relíquias de Roma para Mugnano del Cardinale a 10 de Agosto. Milhares de devotos chegam anualmente e a estátua milagrosa, coberta de joalharia de ouro é levada por todas as estradas da cidade.

Durante este tempo reina a mais incrível paz e a presença definida de Santa Filomena é sentida no santuário. Ela tem uma poderosa e forte intercessão. A sua presença é especialmente palpável no sagrado altar onde as relíquias estão dentro da estátua e por detrás desta, está o frasco de sangue seco. Em frente da estátua estão as lajes originais encontradas no túmulo. O museu contém a cadeira onde Paulina Jaricot se sentou quando recuperou milagrosamente duma doença fatal; este é conhecido como o "Grande Milagre de Mugnano" que o Papa Gregório XVI testemunhou.
 

A 14 de Fevereiro de 1961, a Sagrada Congregação dos Ritos, decretando que a festa de Santa Filomena podia ser removida do calendário litúrgico, criou um ar de apreensão entre os crentes. Com esse decreto, a Igreja nunca pretendeu negar o culto da Santa, mas removeu a missa própria dos cultos e concedeu-lhe a missa do comum dos mártires. Incluído encontra-se um extrato dum artigo de Luigi Esposito intitulado "O culto nos passados dez anos:
Mas qual é na verdade a real posição, a real significância do decreto de 1961? lê-se o seguinte: "A festa de Santa Filomena é para ser retirada..." seria muito diferente se se tivesse dito: "Santa Filomena foi retirada do calendário." - com a sistematização, parecia, e temos boas razões para pensar desta forma, que a Igreja pretendia remover não o culto mas apenas as formalidades do culto que foram acordadas à santa de forma extraordinária pelos Pontífices Romanos precedentes.


Voltou-se, para Santa Filomena, ás antigas deposições do Rito de 1691 no qual era estabelecido que os santos, cujos corpos eram encontrados nas catacumbas após o ano 1000, podiam ter culto, com missa do "comum" apenas onde os seus corpos eram preservados...

"Que esta é uma interpretação objetiva e não uma aparência subjetiva das seguintes evidências emerge da seguinte evidência. Em Abril de 1961, o bispo de Nola, Monsenhor Binni, desejou que uma comissão, formada sob a assinatura do Vigário Geral e dos padres das paróquias locais fossem a Roma perguntar que linha de conduta deveria ser seguida. O caso foi exposto. As concessões Pontificas e, acima de tudo, as razões pelas quais estas foram causadas foram apresentadas. “Continue como antes” foi a resposta.
 

Em 1964, com a visita do Bispo diocesano, foi apresentado um pedido para autenticar a interpretação da afirmação  "Festum outem S. Filumenae..." e se, precisamente com essa afirmação, apenas o culto litúrgico era removido ou se todo o tipo de devoção. Foi recebida “O culto litúrgico foi removido. O culto popular mantém-se inalterado. A santa pode ser venerada e honrada até mesmo com celebrações externas e com missa do comum dos mártires. --Luigi Esposito, Mugnano, 11 de Agosto de 1971. Ela pode ser venerada e honrada com celebrações externas e com missa do comum dos mártires não só em Mugnano, como também em outros sítios onde por motivos locais existe a devoção à santa. Uma confirmação maior do supracitado, uma afirmação para todos os devotos onde quer que estejam, é a exortação do Supremo Pontífice Paulo VI ao Bispo de Mysore, Monsignor M. Fernandes, titular da Catedral de Santa Filomena na Índia. O Bispo perguntou ao Santo Padre o que era requerido a respeito do decreto de 14 de Fevereiro de 1961, sua Santidade aconselhou-o: “Continue como antes e não contradiga o seu povo”.

Culto de Santa Filomena no Brasil


O culto a Santa Filomena não foi abolido. O que é condenado pela Igreja é o abuso e o fanatismo que cercam a veneração aos santos. Quanto às promessas, estas devem ser feitas e cumpridas quer as graças sejam atendidas ou não, pois Deus sempre nos atende. É importante, também, o cuidado para não se fazer promessas absurdas e irreais as quais não podemos cumprir. O mandamento do amor e da caridade deve nortear os nossos votos e, desse modo, devemos sempre fazer promessas concretas, tais como: ajudar aos pobres, visitar os doentes, adotar crianças desamparadas, costurar para os necessitados, trabalhar em obras sociais de nossas paróquias, fazer donativos para as comunidades. Assim, responderemos às obras de misericórdia que Nosso Senhor Jesus Cristo nos ensina: "Eu estava nu, doente encarcerado e vós me socorrestes; portanto, mereceis estar na casa do meu Pai, no Reino dos Céus".
 

A devoção a Santa Filomena não deve ser apenas lembrada quando precisamos de sua ajuda mas sim um motivo de conversão de nossa vida. Procuremos imitar esta adolescente que sentiu, com tão poucos anos de vida, o valor da fé e da religião ao ponto de doar a sua vida jovem a Deus.
 

Dois pontos devem ficar bastante claros, na devoção a Santa Filomena:
 1)  A sua fidelidade a Deus
Ela preferiu morrer a negar a Deus, valorizando mais a Fé do que os bens materiais ou a própria vida física. Nesse ponto, principalmente, devemos imitar o seu exemplo, sendo fiéis a Deus, à Igreja, à doutrina dos mandamentos, à fé, sendo cristãos praticantes, através da Missa e dos sacramentos. As graças recebidas devem levar à prática religiosa. Deus não coloca os santos, apenas, para arrumar nossas vidas, mas para que sirvam de exemplo a todos nós.
 
2) A sua pureza
Ela morreu preservando sua virgindade de corpo e alma. Hoje, quando o sexo é vivido desregradamente e a integridade física e espiritual são motivos de piadas com as palavras imorais em moda, devemos ser apóstolos da pureza. Evitemos a onda de violência sexual, a poluição do sexo. Que a virgindade de Santa Filomena sirva aos jovens, às crianças e aos adultos como exemplo de força no combate às imoralidades do mundo.